foco webcam
arrabida bridge porto webcam
matosinhos beach webcam
webcam off
your webcam
John Grzinich Residency

Audiblehabitus: cooperativa, 2014

HD video installation, sound, 14’01’’

Project developed between April and May 2013 in the industrial hangars and terraces of the Cooperativa dos Pedreiros


“Amid the unused spaces of the Cooperativa Dos Pedreros lay an invisible, almost forgotten culture, to the foreign visitor. Much of Porto’s iconic facades were born here insomuch as many were even cut directly from the landscape surround-ing the city itself. Materials from projects past exist in surplus, offering a large palette for collaborative actions in sound and space. With each gesture, action and event that took place within the walls and terrace of the Cooperative complex, so too were sounds emitted and perceived. This cycle of sonified activity and its perceptive counterpart make up the audiblehabitus of an environment. Actors played out this audiblehabitus on the Cooperativa stage using found objects and surfaces in the thickened dust of masonry residue. Scores were created from simplified sets of instructions drawn either in the moment or from duties of learning a trade. This is an archaeology of violation, where the old is simulta-neously the new, reuse is material disposition so long as it make a sound. Gestures are slow moving meditations on the audiblehabitus as reflections off walls mirror responses of individual listeners, the willing participants in this exercise. This new culture evolved from singular instances, to binary pairs and outward into small clusters and larger groupings. As with the previous inhabitants there is little evidence of our activities, only objects, tracings and residual experiences.” J.G.


Audiblehabitus: cooperativa, 2014

Instalação de vídeo HD, som, 14’01’’

Projeto desenvolvido entre Abril e Maio de 2013 nos hangares industriais e nos terraços da Cooperativa dos Pedreiros


“Entre os espaços não-utilizados da Cooperativa dos Pedreiros encontra-se uma cultura quase esquecida, invisível para o visitante estrangeiro. Grande parte das fachadas mais emblemáticas da cidade do Porto nasceram aqui, de modo que muitas foram diretamente cortadas da paisagem circundante da própria cidade. Os materiais de projetos passados existem em excesso, ofere-cendo uma grande variedade de ações colaborativas em som e espaço. Com cada gesto, ação e evento que tiveram lugar entre as paredes e terraço do complexo da Cooperativa, assim também eram os sons emitidos e percebidos. Este ciclo de atividade sonora e a sua contrapartida percetiva compõem o audiblehabitus de um ambiente. Atores encenaram este audiblehabitus no palco da Cooperativa usando objetos e superfícies encontradas entre a grossa poeira dos resíduos de alvenaria. As partituras foram criadas a partir de conjuntos simplificados de instruções elaboradas no momento ou dos deveres de aprendizagem de um ofício. Esta é uma arqueologia de violação, onde o velho é, simultaneamente, o novo, a reutilização é a disposição de material, desde que emita um som. Os gestos são meditações em movimento lento sobre o audiblehabitus, como reflexos nas paredes que espelham as respostas dos ouvintes individuais, os participantes voluntários neste exercício. Esta nova cultura evoluiu de instâncias singulares, para pares binários e, num movimento externo, para pequenos grupos e agrupamentos maiores. Tal como com os habitantes anteriores, há poucas evidências das nossas atividades, apenas objetos, vestígios e experiências residuais.” J.G.



John Grzinich (1970, Estonia/USA) is a mixed-media artist, working primarily with sound since the early 1990s with a focus on site-specific and acoustic sound activity. His work focuses on the perception and activation of site-specific acoustic phenomena. This includes numerous artistic projects and a range of workshops based on shared learning, collaborative creativity and open authorship. John is based in Estonia and works as a program coordinator for MoKS, an international artist residency centre and project space founded in 2000 as a cooperative organization of people dedicated to artistic, social and environmental research in rural Estonia.


John Grzinich (1970, Estónia/EUA) é um artista mixed-média, que tem trabalhado sobretudo com o som desde o início da década de 90, centrando-se na atividade do som específico de um local e acústico. O seu trabalho centra-se na percepção e ativação de fenómenos acústicos específicos de um local. Tal inclui numerosos projetos artísticos e uma série de workshops com base numa aprendizagem compartilhada, criatividade colaborativa e autoria aberta. John reside na Estónia e trabalha como coordenador de programa para o MoKS, um centro de residência artística internacional e espaço de projecto fundado em 2000 como uma organização cooperativa de pessoas dedicadas à investigação artística, social e ambiental nas zonas rurais da Estónia. 



www.maaheli.ee